América do sul Pelo mundo Peru

Huayna Picchu (Wayna Picchu): subir ou não subir a montanha de Machu Picchu?

huayna picchu

Sabe a montanha que fica ao fundo das fotos do Machu Picchu? Então, ela se chama Wayna Picchu ou Huayna Picchu. Apesar de ser super famosa, eu só descobri isso enquanto planejava ir ao Machu Picchu (acredito que a maioria dos viajantes também).

Legal, mas e daí? Então… durante o planejamento para ir ao Macchu Picchu descobri que existe uma trilha para subir ao topo da Huayna Picchu. A trilha é muito antiga e a subida é íngreme. Algumas partes ainda são originais, como escadas esculpidas em pedras, com alguns degraus muito curtos e altos. Tudo isso combinado com a altitude de 2700m acima do mar!

E quando você começa a pesquisar sobre isso, surge o grande dilema: subir ou não subir a Huayna Picchu?

Nesse artigo você vai ler sobre:

1. Sobre Huayna Picchu
2.
Sobre a trilha
3.
Importante saber antes de ir
4.
O planejamento do meu roteiro
5. Quando custa?
6. Quando ir?
7. O que levar e usar?
8. Dicas e curiosidades


1.Sobre Wayna Picchu

A Wayna Picchu, também conhecida como Huayna Picchu (montanha jovem), recebeu esse nome do povo quíchua, que habitava a região dos Andes durando o império Inca (entre o século XV e XVI).

Acredita-se que todos os dias antes do amanhecer, um sacerdote e alguns de seus seguidores, que habitavam a cidade de Machu Picchu, subiam até o topo desta montanha para assinalar o novo dia (muito loucos ou muito sábios, ainda não sei definir).

A cidade de Machu Picchu foi construída em torno de 1450, e abandonada durante a invasão dos espanhóis na região. Alguns historiadores dizem que não é certa a causa do abandono, mas a guia confirmou que foi por medo da guerra.

Como essas duas montanhas são muito altas, o que tornava difícil o acesso, os espanhóis nunca as encontraram. A vegetação dominou o local e somente em 1911 foi descoberta por historiadores que pesquisavam a região.

A maior parte da história do Reinado Inca foi destruída pelos espanhóis durante a guerra, mas essas duas montanhas preservadas pela própria natureza revelaram ao mundo o grande conhecimento que o povo Quíchua possuía em diversas áreas como agricultura, astronomia, engenharia e arquitetura.


2. Sobre a Trilha

Antes de tomar a decisão li muitos blogs sobre isso, eu tinha apenas 1 dia no Machu Picchu e muitas dúvidas surgiram

  • Pouco tempo para conhecer tanta história, vale a pena fazer uma trilha? Hoje eu tenho certeza que sim! (na época não existia o limite de tempo dentro do parque).
  • Altitude: 2700m dá para encarar? Isso eu acho que é a parte mais polemica. Muitas pessoas sofrem do mal de altitude, mas só descobrem isso quando chegam lá. A trilha exige esforço físico o que pode piorar os sintomas. Dizem que é muito comum ocorrer, mas durante minha viagem não vi ninguém passando por isso. A maioria dos viajantes chega pela cidade de Cusco, onde a altitude é muito maior. Se você não passou mal em Cusco pode ir tranquilo, se passou mal, considere desistir.

Mas Atenção! Não suba a montanha se estiver se sentindo mal! A trilha é longa e muito cansativa.

  • Subida longa e cansativa: sim, é muito. Todos os comentários que li e ouvi sobre isso me deixaram com vontade de desistir. Eu não pratico nenhuma atividade física (nem mesmo fim de semana), mas quando comecei a olhar as fotos daquela altura, ler sobre a sensação de estar lá e principalmente de ter conseguido chegar, eu decidi encarar! E com certeza foi a melhor decisão. 

A subida é íngreme, passa por diversos tipos de chão (grama, terra, pedra, escada…). Alguns locais possuem apoios como cordas, percebe-se que existe cuidados com a segurança. Mas muitas coisas são preservadas da época dos Quíchuas, como as escadas em pedras que possuem degraus altos e de pouca largura.

No alto da montanha encontramos algumas ruínas, acredita-se que era um tempo religioso (não é um ótimo local para descanso, mas tem um pouquinho de sombra!).

O fluxo de pessoas era intenso, quando chegamos ao topo da montanha formou-se uma pequena fila para tirar fotos. Achei chato ter que sair rápido e não “aproveitar o topo”, mas tem tantos locais para apreciar a vista que isso não atrapalhou. E nessa altura, 1 ou 2 metros a mais nem fazem tanta diferença.

A energia positiva desse lugar é inacreditável. Eu fui duvidando que aguentasse subir até o topo, mas consegui. Chegar lá, descansar com a vista das montanhas e de todo o Machu Picchu, e poder pensar: EU CONSEGUI. Com certeza valeu a pena todo o esforço, foi uma das melhores sensações que eu já senti na vida!

A trilha de decida não é a mesma de subida, passa por uma caverna de pedra bem estreita. Mas decida sempre é muito mais tranquilo!

Nós paramos muito para descansar e tirar fotos, por isso levamos mais ou menos 2h para subir e 1h para descer.


3. Importante saber antes de ir!

Em 2019, as regras para entrada no Machu Picchu mudaram. Agora os ingressos tem horário de entrada e limite de tempo para visitação. Mas fique tranquilo, o tempo é adequado para fazer o circuito na cidade tranquilamente:

Machu Picchu: até 4h | Machu Picchu + Huayna Picchu: até 7h

Na Huayna Picchu é permitida a subida de apenas 400 pessoas por dia, sendo que 200 iniciam a trilha entre 07h e 08h e o restante entre 10h e 11h.  Você terá que comprar o ingresso para o horário desejado. No inicio 400 ingressos me pareceram uma quantidade bem relevante, mas quando comprei os ingressos vi que já haviam vários dias esgotados. É bom garantir e comprar com antecedência!

Não é possível iniciar a trilha durante a tarde por uma questão de segurança. Todos assinam a entrada e a saída em um caderno, se alguém não retornar os agentes de segurança precisam localiza-lo.


4. Planeje seu roteiro

Antes de montar o seu roteiro, leve em consideração a nova regra de limite de tempo pra visitação, conforme as informações a seguir:

Entrada no parque

6:00

7:00

8:00

Inicio da trilha Huayna Picchu

7h às 8h

7h às 8h

10h às 11h

Tempo dentro do parque

7:00

7:00

6:00


5. Quanto custa?

Como a entrada da Huayna Picchu é pelo Machu Picchu, então para fazer a trilha você é obrigada a comprar a entrada dos dois:

Ingresso só do Machu Picchu: 152,00 soles (+/- R$190,00)

Ingresso para o Machu Picchu + Huayna picchu: 200,00 soles (+/- R$250,00)


6. Quando ir?

Não é indicado subir a Huayna Picchu com chuva, algumas vezes a trilha pode até ser fechada. A temporada de chuva vai de novembro a março.

A alta temporada vai de maio a setembro, sendo os meses que menos chove junho e agosto, mas também são os meses que mais recebem turistas, então você precisa comprar seus ingressos com mais antecedência. 

Nós fomos em novembro, pegamos um pouco de chuva em alguns momentos da viagem, mas não na Huayna Picchu, e também não atrapalhou em nada.


7. O que levar/usar?

  • Água (muito importante)
  • Protetor solar
  • Repelente
  • Identidade ou passaporte
  • Usar roupas leves
  • Tênis confortável ou bota de caminhada
  • Mochila fácil de carregar e com pouco peso.

8. Dicas e curiosidades

  • Quíchuas ou Incas – Muitas pessoas se perdem na história do Machu Picchu, porque isso é um pouco confuso. Quíchua era o povo que vivia na região dos Alpes no sec. XV e XVI e seus reis eram chamados de Incas. Então surgiu essa confusão entre Reinado Inca e Povo Quíchua. 
  • Existe um ônibus de Águas Calientes x Machu Picchu, todos os dias a cada 15min, iniciando às 5:30h. O retorno funciona da mesma forma, iniciando às 15:30h.
  • Guia: Para entrada no Machu Picchu é obrigatório o acompanhamento do guia, mas na montanha Wayna Picchu não é necessário. A trilha é bem sinalizada e não há opções de outros caminhos, então não tem como se perder.
  • Nós decidimos não parar para almoçar, porque achávamos que era pouco tempo para conhecer tantas coisas. Levamos lanches como bolachas e barras de cereais. Existe um restaurante próximo a entrada do parque. Não chegamos a conferir, mas à boatos que o preço é bem elevado.
  • Antes era possível sair do parque e retornar (para ir ao banheiro ou almoçar), mas agora isso não é mais permitido. Dentro do parque não há local para alimentação e nem mesmo banheiro!
  • Não esqueça de levar sua água! Dentro do Machu Piccho e Wayna Picchu não é permitido nenhum tipo de venda.

 Você curte as minhas dicas? Então já segue o @prefiroviajar no Instagram pra acompanhar as minhas viagens em tempo real! 

VAI VIAJAR? ENTÃO RESERVE AQUI!

Você sabia que quando você faz uma reserva com um link aqui no blog, nós ganhamos uma pequena comissão? Você não é taxado a mais por isso e ainda ajuda o Prefiro Viajar a produzir mais artigos de qualidade! Então, bora reservar?

Passeios e ingressos: TourOn e Get Your Guide
Hospedagem: BookingAirBnB e Hoteis.com
 Seguro viagem: Real Seguros, SafetyWing e Seguros Promo
 Passagens aéreas baratas: Passagens Promo
 Aluguel de carro: Rent Cars
 Dinheiro pro exterior: Transferwise

Sobre o autor

Milene de Zorzi Trindade

Milene de Zorzi Trindade

Gaúcha de Porto Alegre/RS, viajante de férias, adoro conhecer lugares diferentes e viver experiências novas.

Deixe um comentário